conchas

Olha lá a concha. A concha é uma casa, é uma ex casa onde morou um molusco ou qualquer outra vida. A concha é marítima. É energia calmante, recriação de harmonia. Dizem que, por viverem perto das águas, as ancestrais consideravam as conchas como presentes das divindades do mar, e as usavam como proteção e cura. A concha é dureza e perfeição, mas é também fluidez. Tão exata e tão fluida. Por isso, dizem as mais sábias, ela relembra às células como retomar o nosso ritmo natural, desbloqueando a energia inerte: tão radiante nas ostras, mexilhões e vieiras; tão espiralada nos búzios, tritons e caramujos. Fluxo, fluxo, fluxo, fluxo.

 

Olha lá a concha. A véia contou que antes de usar tem que fazer um procedimento com cuidado, um ritual. Segurando-a nas mãos, tem de olhar macio, sem fitar. Inspirar e expirar lentamente, criando imagens na tela branca formada pela mente oxigenada. Deixar-se transbordar. A concha é mulher e a mulher é concha. Mas a concha é excessiva matéria, e a matéria mata. Como pode? Tão forte e tão frágil. A mulher vê a concha e a toca. Ela faz com as mãos o formato da concha, as preenche com água de sal, bebe, e se reconecta com tudo que flui por dentro. Com os sentimentos, com as ondas que batem entre os órgãos.



 

Olha lá a concha. A concha é voz, quando vazia emana os sons. Música que relaxa e lamenta a vida que já não é. Mas a mulher é vida que olha e toca e ouve a concha. A mulher percorre as vascularizações e vai até a racha, a ponta quebrada do coral. Tão vazia e tão sonora. A mulher sente porque assim é, de sentir que se é. De nadar e fluir e transbordar que se é. De vazar e pingar que se é. De escorrer água, sangue, dor e energia que se é. E tudo mais que passa pela concha. Que será que não passa? Que será retida; que será retidão? Não, é curva. Convexão.

 

Olha lá a concha. Que é a coragem da mulher se conhecer. Com tantas formas, líquidos, sensações e sons: se conhecer exige coragem, ensinaram certa vez. Água por entre os dedos, atravessa o peito e desemboca na oquidão da concha. Tão desconhecida e tão instigante. Túneis furta-cor, labirintos salgados de maresia: é o corpo para mulher; é o corpo da concha. Vento de praia assoprado no cabelo, do buraco da concha: é a música para mulher; é a música da concha. Com coragem, a mulher identifica a rigidez, admira o brilho quando bate o sol, reconhece seu lugar. O lugar que deteve e ainda detém vida. Vastidão. A mulher reconhece seu corpo no corpo da concha.



 

Poesia por Natalia Kleinsorgen

Ilustrações por Carina Caiê